Tudo junto e misturado

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Refletindo sobre as drogas

Hoje fazendo uma das coisas que raramente faço, para evitar chateações, sentei em frente à televisão e fiquei mudando de canal a procura de algo que já sabia não encontraria, algo interessante. Então parei um pouco no programa do ratinho, e pensei, quem sabe esse palhaço me faça rir um pouco, mas ao invés disso fiquei foi indignado com as colocações de um usuário de drogas ( sim uma vez que ele admite abertamente que gosta de um rabo de galo e o álcool nada mais do que uma droga, lícita, mas mesmo assim droga) condenando usuários de maconha e cocaína como os responsáveis pelo estado de coisas que vem acontecendo na cidade do rio de janeiro.
Ele disse: “quero falar pra você que fuma maconha e que gosta de dar uma cheiradinha, é você quem financia esses criminosos”.
Agora eu pergunto: será que ele seria tão enfático se de uma hora para outra proibissem a ingestão de álcool? Ou será que ele iria buscar no mercado negro (alimentando o crime organizado como por ele colocado no caso anterior) o seu rabo de galo para satisfazer sua vontade, ou o homem não tem mais direito de satisfazer sua vontade?
Será que é a pessoa que quer usar a droga e se julga dona de sua vida e no direito de fazer uso do que quiser a responsável pela propagação do crime organizado, ou é a proibição que diz às pessoas que elas só podem fazer uso do que alguns mandatários mundiais permitirem?
Alcapone e os grandes mafiosos americanos se fizeram fortes e inatingíveis por causa de uma lei que proibia os cidadãos de fazerem uso de bebidas alcoólicas e esses por sua vez se achavam no direito de fazerem uso do que quisessem e era exatamente aí que entrava a máfia, fornecendo o que as pessoas queriam. E o que foi pior para os Estados Unidos, o período da lei seca ou o posterior a sua extinção?
E o que é pior para o mundo, o uso de drogas, ou o estado de coisas que acontecem em decorrência da sua proibição?
Não seria mais fácil ao invés de proibir o uso de drogas fazer uma legislação onde crimes cometidos sob efeito das mesmas tivessem suas penas aumentadas?
Cobraria-se impostos sobre a venda das drogas e o dinheiro arrecadado poderia ser usado em campanhas anti drogas e no tratamento de dependentes, aí eu queria ver o crime organizado ser tão organizado e tão forte como é nos dias atuais. O problema é que representantes do crime organizado estão pelos congressos e senados no mundo afora abominando o fim da proibição, pois sabem que isso seria o fim do seu lucro fácil, e esse lob está impregnado no inconsciente da opinião pública que pensa exatamente como eles querem que pense.

escrito por Sandro Stahl

Nenhum comentário:

Postar um comentário

José Serra, os porquinhos e a matemática.

Esses videos mostram como se faz necessário a saída do sapo barbudo analfabeto e ignorante, para a entrada de alguém culto e versado em todos os assuntos.

Arquivo do blog

Contador de visita

Não é novela mas se quiser seguir fique a vontade