Tudo junto e misturado

sábado, 3 de outubro de 2009

ÚLTIMO INSTANTE

Quero morrer ao declinar do dia.

Em alto-mar, quando vem vindo a treva;

Lá me parecerá sonho a agonia,

E a alma uma ave que nos céus se eleva.



Não ouvir nos meus últimos instantes,

A sós com o mar e o céu, humanas mágoas,

Nem mais vozes e preces soluçantes,

Senão o grave retumbar das águas.



Morrer quando, ao crepúsculo, retira

A luz as áureas redes da onda verde,

E ser como esse sol que lento expira:

Algo de luminoso que se perde.



Morrer, e antes que o tempo me destrua

Da mocidade a esplêndida coroa;

Quando inda a vida ouço dizer: sou tua.

Saiba eu embora que nos atraiçoa.


MANUEL GUTIÉRREZ NÁJERA

Tradução de
Manuel Bandeira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

José Serra, os porquinhos e a matemática.

Esses videos mostram como se faz necessário a saída do sapo barbudo analfabeto e ignorante, para a entrada de alguém culto e versado em todos os assuntos.

Arquivo do blog

Contador de visita

Não é novela mas se quiser seguir fique a vontade