Tudo junto e misturado

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

O TUCANO E O SABIÁ

Do blog Y sem soma, por Y sem soma

O tucano além do bico
Tem também é muita lábia
Acreditava que entre as aves
Não havia só uma sábia

Subiu na árvore mais alta
E reuniu uma multidão
Declarou-se rei das aves
Deu-se então a confusão

O primeiro a se enraivar
Foi um grande gavião
Que propôs logo um duelo
E o tucano disse: “não

Que não sujo uma só pena
Tenho pena de você
Mas eu lanço um desafio
E deixo o trono à mercê

Lá na América do Norte
Por três dias viajei
E voltei trazendo um chifre
De um dos alces que eu cacei

Se você por menos dias
For mais rápido que eu
Todo mundo é testemunha
Que este trono será seu”

Disse que o tal continente
Era ali depois do mar
Foi se embora o gavião
Para nunca mais voltar

Depois disso a passarada
Pôs-se louca a aplaudir
Mas o velho sabiá
Limitava-se a assistir

O tucano então falou
Para toda àquela gente
Que além de forte e rápido
Era o mais inteligente

Retrucou o papagaio:
“Dê uma prova que eu me calo
Pois não sabe nem metade
Das palavras que eu lhe falo”

O tucano em gargalhadas
Disse: “é fácil lhe provar
Que não sabe do que fala
Pois só sabe copiar”

Depois disso o bicudo
"What's your name" perguntou
Nada o loro compreendia
E por isso se calou

“Como pode um passarinho
Por tão sábio se passar
Se nem mesmo o próprio nome
Ele sabe me falar?”

Toda aquela passarada
Esperneava em euforia
Mas o velho sabiá
Inda assim só assistia

Viu o bicudo tapear
Um terrível gavião
Humilhar o papagaio
Mas não parou nisto não

Teve a audácia de afirmar
Que neste país inteiro
Não havia nenhum um pássaro
Mais que ele brasileiro

“Eu conheço a Amazônia
Com a palma da minha mão
Também sei de cabo a rabo
Os caminhos do sertão

Já vivi no Pantanal
E algum tempo no Cerrado
Sem falar da Mata Atlântica
Que ando até de olho fechado

Vi também um dia um homem
Que se erguia agigantado
Sempre de braços abertos
Abraçando o Corcovado

Foi aí que o sabiá
Se cansou da falação
Subiu no alto de outro galho
Para entrar na discussão

“Permissão senhor tucano
Meu amigo companheiro
Mas também me considero
Como todos brasileiro

Viajei por esse mundo
Muito peso carreguei
Sei meu nome em qualquer língua
Nem por isso eu sou um rei

Eu também já vi tal homem
Com os braços levantados
Mas cansou-se com o peso
Tem os braços já fechados”

O tucano novamente
Deu uma enorme gargalhada:
“Vamos fazer uma aposta
Para um tudo e o outro nada”

Toda aquela passarada
Viu que a aposta era loucura
Pois sabia-se que o homem
Era apenas escultura

Mas o velho sabiá
Inda não queria crer:
“Vamos juntos para lá
Quero ver se vai vencer”

O tucano quis partir
Com destino ao Corcovado
Porém quando sai de um galho
Pára em outro já cansado

“Como pode um passarinho
Todo mundo viajar
Se ele mal bateu as asas
Pediu para descansar?”

Perceberam que o tucano
Tinha só papo furado
Da mentira a perna é curta
E o bico é bem pesado....

Depois disse o papagaio:
“Será aquilo um dragão?”
Era só um par de chifres
Na boca de um gavião.

Pinçado de:
http://ysemsoma.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

José Serra, os porquinhos e a matemática.

Esses videos mostram como se faz necessário a saída do sapo barbudo analfabeto e ignorante, para a entrada de alguém culto e versado em todos os assuntos.

Arquivo do blog

Contador de visita

Não é novela mas se quiser seguir fique a vontade