Tudo junto e misturado

sábado, 10 de abril de 2010

Como manipular uma tragédia

Do blog Tijolaço - Por Brizola Neto


A capa de O Globo aí ao lado não é, evidentemente verdadeira. Mas os fatos nela descritos, são. Pedi a um amigo que fizesse essa montagem para explicar de maneira com que todos possam entender como se pode, na maneira de juntar informações verdadeiras, produzir uma manipulação. Segundo o jornal , na edição do dia 26 de março, a obra da Cidade da Música Roberto Marinho, iniciada por Cesar Maia, já custou R$ 481,3 milhões e ainda vai consumir no mínimo mais R$ 50 milhões, verba que foi retirada da manutenção e conservação das vias públicas, para poder começar a funcionar, mesmo não concluída totalmente.

Como, segundo o mesmo jornal, na edição de ontem, uma casa do programa “Minha Casa, Minha Vida” custa R$ 49 mil e um apartamento R$ 45 mil.

Logo, se a minha calculadora não deu pane, aquela obra custou o equivalente a mais de 11 mil casas populares. Daria para tirar mais de 40 mil pessoas de áreas de risco. Ou mais, se você considerar que estas pessoas pagariam uma pequena prestação, que poderia ser reinvestida na construção de mais moradias.

Para você ter uma idéia do que isso representa, é quase a metade das 25 mil casas que o programa do Governo Federal vai financiar aqui (25 mil). Ou, para materializar o número, daria para receber não os moradores do Morro dos Prazeres , mas os de todo o Bairro de Santa Teresa, inclusive os das suas favelas.

É este o padrão do jornalismo brasileiro. Eu, que não sou jornalista, poderia fazer igual, como mostro aí nesse jornal “fake”. A única diferença é que a tem gente o compromisso de ser decente.


Pinçado de:
http://www.tijolaco.com/?p=11769

Nenhum comentário:

Postar um comentário

José Serra, os porquinhos e a matemática.

Esses videos mostram como se faz necessário a saída do sapo barbudo analfabeto e ignorante, para a entrada de alguém culto e versado em todos os assuntos.

Arquivo do blog

Contador de visita

Não é novela mas se quiser seguir fique a vontade